5 Dicas para montar um plano de aula eficiente

Elsevier

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhar:  
plano-de-aula

Um dos pontos principais ao lecionar aulas é a preparação de um plano de aula capaz de facilitar a disseminação do conteúdo, além de otimizar o tempo aplicado pelo professor. É preciso analisar o assunto a ser tratado e ter em mente qual o grau de importância para o aluno e seu aprendizado.

Conhecer o perfil de quem irá absorver as informações ajuda a encontrar a metodologia ideal. Tal fator faz com que a turma se mantenha engajada e com a atenção voltada para o que está sendo aplicado.

Ao longo da sua carreira acadêmica o processo de criação de plano de aula pode se tornar algo automático, o que pode levar ao sucesso, pois você saberá exatamente todo o processo.

Confira ao longo do post 5 dicas para que o seu plano de aula se torne cada vez mais eficiente.

5 Dicas para montar um plano de aula eficiente

Como foi falado anteriormente, primeiro tente entender para quem será direcionado o seu conteúdo. Os perfil dos estudantes vem mudando ao longo dos anos e, uma aula aplicada hoje, não necessariamente deve ser igual à aplicada daqui dois anos, por exemplo.

     1. Para que o conteúdo servirá após a aula? Qual escolher?

Essas são perguntas que deverão ser respondidas antes mesmo de começar a realizar o seu planejamento. O que os seus alunos poderão fazer com as informações transmitidas? Onde elas serão utilizadas? Os objetivos deverão ser traçados e alinhados de acordo com o desenvolvimento da turma.

Conteúdos conceituais que agregam valor à aulas anteriores, ou procedimentos que poderão ser aplicados após as explicações, são excelentes exemplos ao pensar na escolha do conteúdo a ser aplicado.

Indicar em tópicos todos os tópicos que serão abordados na aula, bem como seus objetivos de aprendizagem é muito importante. Manter os tópicos organizados faz com que os alunos não percam a linha de raciocínio, nem o professor.

     2. Desenvolva casos para serem resolvidos com a utilização dos conteúdos aplicados

A construção de problemas e casos, faz com que o conhecimento gere ação. Após a absorção do conteúdo aplicado, é interessante que o aluno saiba onde ele será utilizado. Exemplos reais fazem com que a visualização das informações seja mais fácil, tirando o conhecimento de dentro de sala de aula ou de exemplos bibliográficos e aplicando-os no cotidiano, tal fator transforma toda a base de conteúdos adquiridos em estratégias e habilidades.

     3. Tenha ferramentas que engajem seus alunos

Para que isso seja possível, é preciso que o docente conheça o perfil dos alunos que ele trabalha, pois, através dessa análise, a escolha da ferramenta ideal será ainda mais assertiva. Atualmente existem diversos materiais que agregam valor às aulas ministradas. Gamificação, documentários, aplicativos, apresentações interativas, são apenas alguns dos modelos que poderão ser utilizados.

Analise como o material pode ser passado da melhor forma possível, com abrangência e entendimento, vá além do óbvio e inove na metodologia aplicada.

     4. Tenha ótimas referências sobre o conteúdo

Uma aula pode conter muito da personalidade de cada professor e suas vivências, mas, como um trabalho acadêmico, também há a necessidade de que existam bibliografias sobre os conteúdos ministrados.

Tal fator vai despertar o interesse dos alunos em saber ainda mais sobre os assuntos tratados, fazendo com que eles acessem bibliotecas virtuais, presenciais ou fóruns, em busca de mais material, maiores informações ou até mesmo exercícios para aplicação do que foi aprendido.

     5. Administre o tempo de aula

Ter um conteúdo completo, desenvolvido para utilização no cotidiano, com exemplos de casos reais e aplicáveis, utilizando tecnologia como aliada, além de obter o engajamento dos alunos é ótimo, mas e se o tempo da aula não for condizente?

É necessário que o tempo seja cronometrado, pois o raciocínio precisa de fluidez. Terminar uma aula e deixar um pedaço da explicação para um próximo momento poderá fazer com que os estudantes percam a oportunidade de criar um fluxo de entendimento que poderia ser melhor aproveitado caso existisse começo, meio e fim.

Repassando o que vimos neste post

  • Conhecendo os seus alunos;
  • Qual conteúdo escolher para seu plano de aula;
  • Aplicando os conteúdos em casos reais;
  • Ferramentas para engajamento dos alunos;
  • Referências sobre o conteúdo;
  • Administração do tempo em sala de aula.

Compartilhar: